domingo, 19 de junho de 2011

Caros leitores,


 Aqui vos apresentamos 4.º selo da série alusiva "Centenário Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado", no qual é retratado um pormenor da obra "O Cais 44" datada de 1943-44.

Fernando Resende da Silva Magalhães Lanhas nasceu na freguesia da Vitória, na cidade do Porto, em 16 de Setembro de 1923, fruto do segundo casamento de Luís da Cunha Magalhães Lanhas, comerciante de tecidos, com Maria Amélia Resende da Silva Magalhães Lanhas, modista. Residiu no n º 74 na Rua José Falcão até à morte dos pais.
Desde criança que se inquietou com as origens do Homem e com o conhecimento do Universo, temas que motivaram os primeiros trabalhos artísticos e as primeiras pesquisas científicas.
No ano lectivo de 1941-1942 inscreveu-se no Curso Especial de Arquitectura, da Escola de Belas Artes do Porto, depois do qual se matriculou, no ano de 1945, no Curso Superior de Arquitectura, na mesma instituição de ensino. Terminou estes estudos em 1947 com a apresentação de um projecto sobre a construção de um museu, que lhe valeu a classificação de dezanove valores.
Fotografia do grupo de artistas Os Independentes, 1944 / Photo of the group of artists The Independent, 1944Nos anos passados na ESBAP mostrou-se um aluno atento e empenhado. Nesta instituição dirigiu o Grupo de Estudantes de Belas Artes. Teve por colegas Nadir Afonso e Júlio Pomar, com quem conversava sobre Arte. Começou a pintar quadros figurativos, que rapidamente se transformaram em obras abstractas. Envolveu-se na organização das Exposições Independentes dos Alunos da ESBAP, em 1944, e colaborou na página "Arte" do jornal diário do Porto, "A Tarde", em 1945. Pouco depois viajou até Paris, onde visitou e desfrutou de importantes certames de Arte, como o Sallon des Réalités Nouvelles, em 1947.
Entre 1948 e 1951 publicou desenhos na Portucale, Revista de Cultura Literária, Científica e Artística, e participou em várias exposições. Em 1951 entrou no concurso para professor do Ensino Técnico Profissional e realizou provas para obtenção do Diploma de Arquitecto. Nesse ano, em colaboração com os arquitectos Viana de LimaArménio Losa e Cassiano Barbosa, organizou uma exposição de Arquitectura, impulsionada pela Organização dos Arquitectos Modernos, que teve lugar no Porto e, no ano seguinte, em Aveiro, e fez, ainda, o mapa do digrama da cor das obras do pintor Dominguez Alvarez.
Caricatura de Fernando Lanhas por Vasco / Caricature of Fernando Lanhas, by VascoEm 1953 casou com Maria Luísa Pereira Viana com quem teve dois filhos. Nesse ano, expôs em Lisboa, no Brasil e em Veneza, desenvolveu vários projectos arquitectónicos e começou a fazer colagens.
Em 1954 dirigiu os números 1 e 2 das Publicações de Arte Contemporânea e participou no I Salão de Arte Abstracta. Dessa data até 1958 riscou uma habitação. Em 1956 ocupou o cargo de arquitecto estagiário na Escola Superior de Belas Artes do Porto e, entre 1958 e 1962, centrou-se no projecto a "Casa do Espaço".
Desde os anos 60 desenvolveu o gosto pelo estudo dessa área do saber. Em 1963 elaborou o "Quadro Geral do Universo", em 1965 construiu um modelo reduzido do "Grupo Local das Galáxias", no final da década de sessenta estudou a hipótese de um universo com predomínio progressivo de um vão central; nos anos 70, na actual Escola Secundária Garcia de Orta, criou a Sala de Cosmografia, a primeira sala deste género no país, reconhecida pela NASA devido à sua importância didáctica e que motivou o convite feito a um aluno daquele Liceu para estar presente no lançamento da nave Apollo14. Infelizmente, esta sala desapareceu no período pós 25 de Abril de 1974. Neste ano, construiu um "Cosmoscópio", um livro onde reuniu programas sobre acontecimentos do universo e, em 1982, instalou no Museu Municipal de Paredes, um Diorama de Astronomia; em simultâneo, elaborava a "Carta das distâncias entre o Sol e algumas estrelas".

Como arqueólogo amador também deixou a sua marca, realizando o "Inventário dos lugares com interesse Arqueológico", que começou a ser publicado em 1965 em colaboração com D. Domingos de Pinho Brandão. Em ligação com a Arqueologia também se interessou pela Paleontologia, Biologia e Geologia. Em 1968 elaborou um estudo sobre a sinalização dos Monumentos Arqueológicos. Em 1969 publicou artigos a propósito das investigações por si realizadas na Revista de Etnografia. Em 1970 participou no II Congresso Nacional de Arqueologia, realizado em Coimbra. Em 1971 publicou estudos nas actas deste congresso, em parceria com D. Domingos de Pinho Brandão. Em 1972 participou nas II Jornadas Arqueológicas, em Lisboa. Das suas descobertas arqueológicas podem referir-se, entre outras, o Castro de S. Paio, em Labruge (1967) e a gravura rupestre no Monte da Luz, na Foz do Douro (1972).
O gosto pela Museologia, que nascera nos seus tempos de estudante, foi reavivado durante os anos 80. Projectou e executou montagens de colecções no Museu Municipal da Figueira da Foz, no Museu Monográfico de Conímbriga, no Museu Militar do Porto e na Biblioteca-Museu Municipal de Paredes. Planeou, também, o Museu de Mineralogia da Faculdade de Ciências do Porto e o Centro de Arte e Cultura Popular, em Via Nova de Famalicão.

É um homem de múltiplos interesses. Arquitecto de formação, é igualmente pintor, desenhador, poeta, arqueólogo, astrónomo e coleccionar por vocação.
Fotografia da Caixa Menina, de Fernando Lanhas / Photo of the Girl Box, by Fernando LanhasNa sua faceta de arquitecto presta grande atenção ao desenho e tem preferência pelas formas simples e funcionais, deixando transparecer influências da Bauhaus. Gosta de projectar moradias urbanas, modernas, mas respeitadoras da tradição, e espaços museológicos de forte pendor pedagógico. Entre as muitas que realizou, destacam-se as seguintes obras: o projecto nunca realizado da Casa do Espaço (1958-1962); Prédio de Rendimento, Porto (1957); Moradias no Porto e em Espinho (1959, 1970); Pavilhão de Exposições de Matosinhos (1964); Museu Monográfico de Conímbriga (1982) e Centro de Arte e Cultura de S. Pedro de Bairro, em Famalicão (1986).
Apesar de não ser considerado um pintor, é tido como um dos pioneiros da abstracção geométrica em Portugal. A obra 02-44 ou O Violino, exposta pela primeira vez em 1945, na III Exposição Independente, em Lisboa, e que hoje integra a colecção da CAM, é um marco histórico na pintura portuguesa. Numa época em que muito artistas seguiam a corrente neo-relista, Lanhas escolheu um caminho revolucionário. A sua obra pictórica é feita de aguarelas, serigrafias, pinturas sobre seixos rolados, colagens e xilogravuras. Na área do desdenho, insere-se na família dos grandes desenhadores modernos, aliando a capacidade de expressão ao virtuosismo da forma.

Também não se reclama um poeta, mas é autor de composições caracterizadas por um grande rigor formal e pela contenção da ideia. Desde muito cedo preocupou-se em registar os sonhos do próprio sonhador.
O interesse pela arqueologia e astronomia vem da sua busca incessante pelas origens, que estendeu ao coleccionismo. É um coleccionador de fósseis, seixos, areias de diversas partes do mundo, rochas, brinquedos, rótulos, anúncios, etc. Reúne e cria colecções devidamente rotuladas e também se interessa por fotografia, sobretudo antiga. 
Retirado de: 
http://sigarra.up.pt/up/web_base.gera_pagina?P_pagina=2448

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Almada Negreiros

Caros leitores,

na sequência da mensagem anterior deixamos aqui a imagem do 3.º selo da série alusiva "Centenário Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado".

Este segundo selo tem o valor de 0,47 € (actual correio azul) e retrata um pormenor do quadro "A sesta" elaborado em 1939.




"Escritor e artista plástico, José Sobral de Almada Negreiros nasceu em S. Tomé e Príncipe a 7 de Abril de 1893. Foi um dos fundadores da revista “Orpheu”(1915), veículo de introdução do modernismo em Portugal, onde conviveu de perto com Fernando Pessoa. Além da literatura e da pintura a óleo, Almada desenvolveu ainda composições coreográficas para ballet. Trabalhou em tapeçaria,  gravura, pintura mural, caricatura, mosaico, azulejo e vitral. Faleceu a 15 de Junho de 1970 no Hospital de S. Luís dos Franceses, em Lisboa,  no mesmo quarto onde morrera seu amigo Fernando Pessoa.



As duas orientações de busca e criação de Almada Negreiros foram a beleza e a sabedoria. Para ele "a beleza não podia ser ignorante e idiota tal como a sabedoria não podia ser feia e triste" (Freitas, 1985). Almada Negreiros foi um pintor-pensador. Foi praticante de uma arte elaborada que pressupõe uma aprendizagem que não se esgota nas escolas de arte; bem pelo contrário, uma aprendizagem que implica um percurso introspectivo e universal.

O tema principal de Almada foi o número, a geometria (sagrada) e  os seus significados, declarando que a sabedoria poética e a sabedoria reflectida têm entre elas a fronteira irredutível do número. Almada revela-se assim um neopitagórico sendo este seu lado a fonte mais profunda da sua inspiração e da sua criatividade e, segundo Lima de Freitas, a sua “loucura” central.

Vulto cimeiro da vida cultural portuguesa durante quase meio século, contribuiu mais que ninguém para a criação, prestígio e triunfo do modernismo artístico em Portugal. Na sua evolução como pintor, Almada passou do figurativismo e da representação convencional dos primeiros tempos, para a abstracção geométrica, matemática e numérica que caracteriza as suas últimas obras.

A sua preocupação central foi a determinação do enigmático Ponto de Bauhütte. Essa procura ficou registada por vários textos, por numerosos traçados geométricos e por algumas pinturas a preto e branco que Almada foi acumulando, mas sem tornar público o fundo do seu pensamento. Antes de romper o quase segredo da sua busca, Almada realiza, para o Tribunal de Contas de Lisboa, um dos cartões para tapeçaria intitulad«O Número». "



Outras peças filatélicas sobre Almada Negreiros

Inteiro Postal alusivo aos Amigos de Lisboa cujo o logotipo da Associação foi elaborado por Almada Negreiros
Postal Máximo com selo sobre o Centenário do nascimento de Almada Negreiros

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Columbano

Caros leitores,


aqui vos deixamos a imagem do 2.º selo da série alusiva ao "Centenário do Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado".


O segundo selo desta série traz um pormenor do quadro elaborado por Columbano Bordalo Pinheiro em 1881, denominado "A luva cinzenta".


Columbano Bordalo Pinheiro nasceu em Lisboa, em 21 de Novembro de 1857;
morreu na mesma cidade em 6 de Novembro de 1929.

Filho do pintor, escultor e gravador Manuel Maria Bordalo Pinheiro, estudou na Academia de Belas-Artes de Lisboa, onde cursou desde os 14 anos de idade desenho e pintura histórica. Na Academia foi discípulo do escultor Simões de Almeida e do mestre Ângelo Lupi, tendo feito o curso em quatro anos em vez dos curriculares sete.
Em 1881 partiu para Paris, beneficiando de uma bolsa de estudo, custeada secretamente por D. Fernando de Saxe-Coburgo, viúvo de D. Maria II, amigo do pai. Foi para França, acompanhado da irmã mais velha, tendo aprendido com Manet, Degas, Deschamps entre outros. Em 1882 apresentou no «Salon de Paris» o quadro «Soirée chez Lui» que foi bem recebido pela crítica, e que está actualmente exposto no Museu de Arte Contemporânea de Lisboa com o título «Concerto de Amadores». 
Este quadro foi exposto em Lisboa, na Promotora, em 1883, após o seu regresso a Portugal, não tendo sido muito bem recebido pela crítica. Junta-se aos artistas do «Grupo do Leão», nome de uma cervejaria de Lisboa, que retratou num quadro que será um dos seus mais conhecidos. O grupo  era formado por jovens artistas empenhados numa reforma estética
Foi no domínio da pintura de decoração e nos retratos que se celebrizou, sendo dele as pinturas da sala de recepção do Palácio de Belém, os painéis dos «Passos Perdidos» da Assembleia da República e do tecto do Teatro Nacional. Os retratados, intelectuais sobretudo, incluem Oliveira Martins, Ramalho Ortigão, Eça de Queirós, Teófilo Braga, mas um sobressai: o de Antero de Quental, pintado em 1889.
Em 1901 tornou-se professor de pintura histórica da Academia de Belas-Artes de Lisboa, depois de ter sido preterido no concurso de 1897. Em 1911, foi nomeado pelo novo regime republicano para primeiro director do recém criado Museu de Arte Contemporânea onde se manteve até à reforma.
Era, segundo Diogo de Macedo: «misantropo, fechado em si, dado a análises exaustivas, a dissecações cruéis, teve apenas um grande amor - a pintura».


Outras peças filatélicas sobre Columbano Bordalo Pinheiro:
País Portugal
Data de EmissãoAgosto 12, 2007
tema principalBelas Artes (Artistas) 
AssuntoPersonalidades da História e da Cultura Português - Columbano Bordalo Pinheiro
Largura30,6 milímetros
Altura40,0 milímetros
Denominação0,45 €
Número em conjunto3
Layout / Formatofolha de 50
Perfurações11,75 por 11,75
Selo autoridade emissoraCTT Correios de Portugal SA
ImpressoraImprensa Nacional Casa da Moeda



PaísPortugal
Data de Emissão15 outubro de 2004
tema principalEconomia e Indústria 
Agricultura e Alimentação (Wine & Uvas) 
AssuntoViticultura Portuguesa
Largura40,0 milímetros
Altura30,0 milímetros
Denominação0,72 €
Número em conjunto9
Layout / Formatofolha de 50
Perfurações14,1 por 13,4
Selo autoridade emissoraCTT Correios de Portugal SA
ImpressoraJoh Enschede

Ligações

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...